logo

O milagre que deu origem ao Santuário

 

“Até ao ano de 1728 da era vulgar em que Deus Nosso Senhor quis mostrar neste sítio a sua omnipotência era este lugar deserto cujos matos davam pastagem aos gados do povo desta ribeira de Godim que neste tempo pertencia à freguesia de S. Sebastião de Regueira de Pontes deste Bispado de Leiria donde então era Bispo o Ex.mo Sr. D.Álvaro Abranges e lhe sucedeu o Ex.mo Sr. D. João de nossa Senhora da Porta, depois Arcebispo de Évora cidade, Cardeal da Cunha, Regedor das justiças e Inquisidor geral que foi o mesmo que fez este templo freguesia depois de passados alguns anos de sua erecção.

Neste mesmo ano que era 1728 vivia na falda deste monte na frente deste mesmo templo um homem chamado Manuel Francisco Maio, que era leso da cintura para baixo, que apenas se podia mover em cima duma cortiça, ajudado só das suas mãos e assim passava uma vida mendigando. Um dia , dia deste mesmo ano saio este homem para a sua costumada tarefa de pedir esmola e veio arrastando -se por entre os matos até ao lugar em que agora se acha colocada a capela mor e aqui a cortiça se lhe despedaçou e ficou inábil para poder daqui passar. Neste mesmo tempo soavam por toda a parte os contínuos milagres que experimentava quem com fé se valia da protecção do Sr. Jesus de Aveiro: este aflito homem cheio da mais viva fé, dando sentidissimos ais, gritou pelo Senhor Jesus de Aveiro, que o melhorasse e lhe prometeu que lhe iria levar um painel se o Senhor fosse servido, que ele pudesse caminhar.

Neste mesmo tempo ( caso maravilhoso! ) ficou em profundo sono e passados alguns minutos acordou são sem sombras de moléstia. E logo dando louvores a Deus por tão assinalada mercê se encaminhou para sua casa, deixando neste mesmo lugar o fragmento da cortiça, que por descuido se não se conservou na memória. Admiraram todos os seus vizinhos tão grande prodígio de verem são e livre de moléstia aquele que há poucos minutos tinham visto sair arrastando-se.

E logo no dia seguinte foi ele dito Manuel Francisco Maio ao lugar dos Balres desta mesma freguesia aonde assistia um pintor chamado José de Abreu e lhe levou uma tábua em que o dito pintor lhe fez a imagem ao Senhor Jesus a qual ele com muito contentamento trouxe para sua casa. E como era muito pobre no espaço de dois anos nunca se pós a caminho para ir levar o painel ao Senhor Jesus de Aveiro como tinha prometido: Confessou a sua falta e seu confessor lhe determinou o coloca-se no mesmo local onde tinha recebido o prodígio, o que ele logo fez, e no mês de Maio de 1730 colocou neste mesmo lugar o dito painel em uma cruz tosca: Depois de estar assim arvorada a cruz com o painel observou-se que os gados que actualmente vinham pastar a estas charnecas vizinhas fugiam obrigados da mosca e vinham virados para o Senhor formando um circulo em torno da cruz.

Causou isto tanta admiração a estes povos vizinhos, que todos em ranchos vinham visitar o Senhor a quem neste tempo chamava-se o Senhor do Maio. E como o Senhor foi servido logo fazer inumeráveis mercês a quem o invoca com viva fé todos exclamavam, Senhor dos Milagres ! E os mesmos que receberam os prodígios lhe puseram este soberano titulo : E em pouco tempo foram tão copiosas as esmolas de dinheiro, trigo, milho, cera, azeite, novilhos e outros generosos que logo se deu principio a este famoso templo, para cuja erecção chamaram o mestre José da Silva, do lugar do Juncal, que foi o que construiu esta obra, mais o mestre Joaquim da Silva, seu filho até ao estado presente.

Era  assombro ver naqueles tempos a multidão dos enfermos que de muitas partes vinham a este sitio implorar a misericórdia do Senhor, deixando os aleijados aqui ficar as suas muletas e outros apresentando-lhes muitos quadros em que ternamente confessavam os favores recebidos. E logo que se começaram estas obras entrou a trabalhar o dito Manuel Francisco Maio. E estando a obra já na altura da cimalha real caio uma pedra de carrada e o levou consigo ao chão, aonde todos o esperavam morto: e ele se levantou são e foi continuando no mesmo trabalho.

Passados alguns anos andava ele em cima duma escada armando de cortinados o Apostolado que está por cima da dita cimalha e caindo a escada ele ficou em cima da cimalha sem o menor perigo. Viveu este celebre homem sempre pobre, morreu decrépito e jaz aqui mesmo. E eu José Roiz da Silva e Sousa, neto do dito mestre José da Silva fiz este azulejo e o mandei aqui colocar na era de 1795, e escrevi fielmente esta história escrita pelo rev.Luiz Gomes, tesoureiro actual desta igreja, sendo bispo de Leiria o Ex.mo Sr. Manuel de Aguiar inimitável devoto e zeloso do culto de Deus que para sempre vive e viva.”

Transcrição dos Painéis de Azulejos da Capela-mor do Santuário

O painel do Senhor Jesus

painelsjm

O painel oferecido por Manuel Francisco Maio ao Senhor Jesus foi pintado por José de Abreu, do lugar dos Balres, que hoje pertence à freguesia dos Milagres e na altura à de Colmeias. É bastante simples. Numa tábua de pinho que mede 0.48x0.28m, acha-se pintada a óleo a imagem de Jesus Cristo cruxificado ladeada por dois anjos de joelhos com as mãos erguidas. As pinturas são bastante imperfeitas. Por baixo da imagem tem os seguintes dizeres: "Imagem do S.S. da barroquinha de aveiro que aqui mandou pintar manoel francisco mayo das quintas darribeira da godim, termo de Leiria em agradisimento de hù grande merçê que o Senhor lhe fes no anno de 1729."

Reportagem TVI (2001)

Fotografias diversas